Sunday, November 19, 2017

5 ingredientes estranhos de origem animal em cosméticos e comida

5 ingredientes estranhos de origem animal em cosméticos e comida

Algumas comidas e cosméticos podem parecer inocentes e saudáveis, mas quando olhamos com atenção para os nomes dos ingredientes da composição e vamos atrás para entender o que eles significam, percebemos que a maioria dos produtos guarda em si matérias-primas as quais preferíamos não estar usando ou comendo.

Nesse texto, nós te contamos algumas delas, de que lugar essas matérias-primas vêm e como você pode evita-las.

1- Carmim

as tres fases que transformam a cochonilha em pigmento
Foto: Insecta

É um ingrediente obtido através do processo de esmagamento do inseto cochonilha. São necessários cerca de 70.000 insetos para fazer menos de 500 gramas do corante. O carmim é vastamente encontrado na indústria alimentícia e cosmética.

Alimentos processados sabor morango, frutas vermelhas, ou tuti-frutti, por exemplo, normalmente contêm carmim. Em cosméticos, blushs, batons e sombras vermelhas e rosas podem conter carmim.

Ele aparece na descrição dos ingredientes como: carmim, carmine, corante vermelho natural ou cochonilha. As alternativas são diversas, para alimentação o corante de beterraba é uma delas. Em maquiagens, muitas marcas já aboliram o carmim como Alva, Bioart, Kat Von D Beauty, Too Faced, e a lista continua.

2- Lanolina

ingredientes de origem animal-lanolina

É o sebo da ovelha e carneiro. Além de ser altamente alergênico, a lanolina é obtido expondo as ovelhas a altas temperaturas incentivando suas glândulas a produzirem a maior quantidade de sebo no menor espaço de tempo possível. Esse método de produção não natural logo faz suas glândulas pararem de produzir sebo e as ovelhas se tornarem inúteis. Logo elas são abatidas, tendo uma vida muita mais curta do que o normal.

A lanolina é muito usada em cosméticos como hidratantes, shampoos, máscaras capilares, hidratantes e batons cremosos. Gomas de mascar também podem conter lanolina.

Como alternativa, manteigas vegetais em produtos de beleza já vêm sendo usadas por diversas marcas. Confira os ingredientes, a lanolina pode aparecer listada como lanolina, álcool alifático, colesterol, lanolato de isopropilo, lanogene, álcool de lanolina, lanosterols, esteróis ou triterpénicos.

3- Colágeno

Obtido através da fervura de peles, ligamentos, tendões e ossos de bois e porcos, é um ingrediente conhecido por seu poder de manter a elasticidade da pele. É muito usado em cosméticos antienvelhecimento. Na indústria alimentícia, gelatinas, balas gelatinosas (tipo Fini), e doces “caseiros” como maria-mole também são à base do produto.

A alternativa, com mais nutrientes que o colágeno de origem animal, é a goma agar-agar. Um produto derivado das algas marinhas e muito usado pelos asiáticos. Vem sendo implementado aos poucos no Brasil.

Nos ingredientes dos produtos, o colágeno pode aparecer listado como gelatina ou colágeno.

4- Coalho

O coalho é uma enzima produzida nos estômagos de bezerros e nem precisamos entrar em detalhes para você imaginar como essa enzima é retirada desses bebês, certo? Apesar do nome, o coalho é usado para fermentação de queijos em geral, não só do queijo coalho.

Para os amantes de queijo, as opções são uma série de queijos vegetais já disponíveis no mercado como Violife, Tofutti e Superbom.

dois bezerros em curral
Foto: Insecta

5- Ácido Esteárico

Considerado um ácido graxo, o ácido esteárico é geralmente derivado de banha (gordura animal de porco) ou sebo (gordura animal derivada da carne de boi ou de carneiro). É produzido por meio da fervura das carcaças de animais.

Muito utilizado na indústria cosmética para produção de maquiagem e produtos de higiene, algumas marcas utilizam a versão sintética e veganfriendly do produto, mas quando está listado em meio aos ingredientes, a não ser que o produto seja atestado como orgânico ou vegan, é preciso confirmar com a empresa qual origem do ingrediente.

Fonte: Insecta Shoes

About The Author

Danielle é jornalista, formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Já foi voluntária em diversas ONG como Abeac, Anda, Associação Mata Ciliar e N/a’an ku se (Namíbia). Atualmente, estuda Medicina Veterinária na Fesb de Bragança Paulista, onde faz estágio no hospital universitário HVet.

Related posts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *